Blog Luís Machado – Quarta-feira

Vagas na Fiocruz para enfrentamento do COVID-19 - Pfarma

Brasil x Covid-19: Uma tragédia anunciada. Não há como evitar uma catástrofe?

Olhando o exemplo dos principais países do mundo, em que não se politizou tanto a pandemia do novo coronavírus, quanto o Brasil, chega-se à conclusão de que, se toda a população se conscientizasse acerca do que é preciso fazer de forma racional, ainda assim, os efeitos num futuro próximo como reflexos do que se fez até aqui, serão inevitavelmente desastrosos. Como é quase impossível que isso ocorra (fazer o certo), não há dúvida de que, lamentavelmente, tais efeitos serão catastróficos, sob todos os aspectos, especialmente na economia e na perda de vidas humanas. Há quem diga que, antes de dezembro chegaremos a 500 mil óbitos.

Basta ver o que diz a Fiocruz, ao dizer que, 19 unidades da federação têm taxas de ocupação de UTI acima de 80%. “Pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos”, aponta boletim da instituição.

“Pela primeira vez – diz a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) – desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de SRAG, a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais.” – Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19. De simples leitura dos números apresentados, constata-se o tamanho da gravidade

Taxas de ocupação nas capitais: Entre as 27 capitais do País, há 20 com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos de 80% ou mais:

  • Porto Velho (100%)
  • Rio Branco (93%)
  • Manaus (92%)
  • Boa Vista (82%)
  • Belém (84%)
  • Palmas (85%)
  • São Luís (91%)
  • Teresina (94%)
  • Fortaleza (92%)
  • Natal (94%)
  • João Pessoa (87%)
  • Salvador (83%)
  • Rio de Janeiro (88%)
  • Curitiba (95%)
  • Florianópolis (98%)
  • Porto Alegre (80%)
  • Campo Grande (93%)
  • Cuiabá (85%)
  • Goiânia (95%)
  • Brasília (91%).

Além disso, cinco capitais estão com taxas superiores a 70%:

  • Macapá (72%)
  • Recife (73%)
  • Belo Horizonte (75%)
  • Vitória (75%)
  • São Paulo (76%).

Os dados da Fiocruz comparam a situação das UTIs verificadas em 1º de março, em contraponto aos observados em 22 de fevereiro.

“Diante desse quadro, os pesquisadores do Observatório Fiocruz Covid-19 ressaltam a necessidade de adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais, de acordo com a situação epidemiológica e capacidade de atendimento de cada região, avaliadas semanalmente a partir de critérios técnicos como taxas de ocupação de leitos e tendência de elevação no número de casos e óbitos.” – Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19

Medidas sugeridas

A Fiocruz sugeriu uma lista de providências, veja abaixo o resumo:

  • Manutenção de todas medidas preventivas (distanciamento físico, uso de máscaras e higiene das mãos)
  • Adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais
  • Implementação imediata de planos e campanhas de comunicação
  • Reconhecimento legal do estado de emergência sanitária e
  • Viabilização de recursos extraordinários para o SUS, com aporte imediato aos Fundos Estaduais e Municipais de Saúde
  • Fortalecimento da vigilância em saúde: detecção precoce, investigação laboratorial, isolamento, quarentena e busca ativa de casos suspeitos e confirmados, além de estratégias de teleconsulta.
  • Ampliação da capacidade assistencial em todos os níveis, incluindo leitos clínicos e de UTI para Covid-19
  • Aceleração da vacinação para toda a população coordenada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) do SUS

Os dados da Fiocruz comparam a situação das UTIs verificadas em 1º de março, em contraponto aos observados em 22 de fevereiro.

“Diante desse quadro, os pesquisadores do Observatório Fiocruz Covid-19 ressaltam a necessidade de adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais, de acordo com a situação epidemiológica e capacidade de atendimento de cada região, avaliadas semanalmente a partir de critérios técnicos como taxas de ocupação de leitos e tendência de elevação no número de casos e óbitos.” – Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19

Medidas sugeridas

A Fiocruz sugeriu uma lista de providências, veja abaixo o resumo:

  • . Manutenção de todas medidas preventivas (distanciamento físico, uso de máscaras e higiene das mãos)
  • . Adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais
  • . Implementação imediata de planos e campanhas de comunicação
  • . Reconhecimento legal do estado de emergência sanitária e
  • . Viabilização de recursos extraordinários para o SUS, com aporte imediato aos Fundos Estaduais e Municipais de Saúde
  • . Fortalecimento da vigilância em saúde: detecção precoce, investigação laboratorial, isolamento, quarentena e busca ativa de casos suspeitos e confirmados, além de estratégias de teleconsulta.
  • . Ampliação da capacidade assistencial em todos os níveis, incluindo leitos clínicos e de UTI para Covid-19
  • . Aceleração da vacinação para toda a população coordenada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) do SUS.

Subsídio: Relatório Fiocruz/Portal G1.

Comento, argumento. Só não invento!

WhatsApp do editor do Blog Luís Machado: (81) 98732.5244.

Deixe um comentário

Posts Recentes