Blog Luis Machado

Notícias

Padre faz alerta de profanação da Eucaristia

Padre faz alerta de profanação da Eucaristia

Padre faz alerta de profanação da Eucaristia

Padre faz alerta de profanação da Eucaristia

Padre Acácio Carvalho, da Paróquia N. Sa do Rosário, em Boa Viagem faz alerta de profanação da Eucaristia

Temos dito aqui, com frequência que, de fato, vivemos em tempos estranhos e o que acontece atualmente – em várias dioceses católicas do Brasil -, do ponto de vista eclesial, assume contornos de perplexidade, diante da intolerância religiosa à crença do outro.

Ao assistirmos à celebração eucarística dominical, neste domingo (10) na Igreja Matriz da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, situada na Rua Barão de Souza Leão, em Boa Viagem, na capital pernambucana, fomos surpreendidos com o relato indignado do pároco, Padre Acácio Carvalho, no qual fez o sacerdote minucioso e contundente alerta aos fiéis, acerca do reiterado vilipêndio e profanação do Sacramento da Eucaristia (considerado pelos católicos, como sendo corpo, sangue, alma e divindade de Jesus Cristo), com a finalidade de utilização da hóstia consagrada, em ritos de bruxaria e outras ‘finalidades’. Citou ele, o caso de um casal (identificado depois de diligências feitas, como sendo não católico) que, reiteradas vezes comportou-se, naquela igreja e na fila da comunhão, de maneira proibida, qual seja: ao invés de comungar, na frente do ministro, apossou-se da hóstia, para tentar levar a mesma, para fins presumivelmente ilícitos.

Com efeito, é necessário dizer que, a Igreja Católica (como as demais) no Brasil e no Mundo, vive uma crise sem precedentes, ocasionada por vários fatores e um deles é o descompromisso de considerável percentual de padres e bispos que (não são todos), influenciados por ideologias marxistas, fazem “vista grossa” à doutrina e ao magistério da instituição da qual fazem parte e, em relação à Eucaristia, não é diferente.

Para se ter uma ideia, a situação chegou ao ponto de vários membros da Igreja (sacerdotes, bispos e cardeais) não obedecerem às orientações do Papa, como é o caso de parte da igreja, na Alemanha e na França, por exemplo. Na verdade, a Igreja entrou em turbulência a partir da década de 1960, especialmente após o chamado Concílio Vaticano II que, em linhas gerais, veio com proposta de modernização, em sintonia com os novos tempos, mas o que se viu foi que a situação só piorou, especialmente na Europa e América Latina. chegando a níveis críticos de identidade, em relação à mensagem do Evangelho e ao magistério dos chamados santos padres da Igreja, que são os faróis dos fundamentos, especialmente nos primeiros cinco séculos da Igreja Católica.

Se na Europa o secularismo entrou com força no seio da Igreja, fruto em grande parte do pós-guerra mundial (no afã de sooerguer-se materialmente falando, em detrimento do espiritual), na América Latina, o distanciamento da Igreja da chamada sã doutrina (praticada desde sempre) é fruto da chamada Teologia da Libertação, plasmada no viés socialista/marxista que, em última análise, preconiza o “homem social”, em contraponto ao “homem espiritual”. Como tal, o lado místico e transcendental passou a ficar em segundo ou em nenhum plano. Como se não bastasse, tal ideologia acabou tornando-se combustível aos partidos políticos de esquerda e o PT é o caso maios clássico, no Brasil. Quem quiser aprofundar-se nessa questão, procurem saber quem é o ex-franciscano e teólogo Leonardo Boff bem como o também ex religioso Frei Beto.

Pois muito bem. Se padres e bispos (embora não sejam todos) já não mais concebem a Eucaristia como sendo essencial e verdadeiramente o próprio Jesus Cristo – em corpo, sangue, alma e divindade – não haveria porquê (eles incutirem) na formação eclesial/catequética dos fiéis, o milenar respeito a Jesus Cristo Eucarístico. Ora, isso afronta dois mil anos de ensinamento.

Se assim é, não é de admirar que haja padre e bispo preconizando dá a comunhão apenas na mão, ao invés de ministrá-la na boca do fiel, malgrado os documentos canônicos dizerem que deve ser na boca, já que não se deve receber a Eucaristia, como se fora um mero pedaço de pão ou coisa qualquer. Padres simpatizante ou ativista da Teologia da Libertação, em geral recusam-se a dá comunhão na boca dos fiéis. Exatamente porque, para eles, aquela hóstia que ele mesmo consagrou, na prática é apenas uma espécie de representação do corpo de Cristo.

Somando-se a indiferença aos aludidos princípios doutrinários à intolerância religiosa, hoje na moda, ao redor do Planeta, estão ‘pipocando’ casos de invasão de igrejas e de cultos, em desrespeito a todos os ditames, quer no Brasil quer no Exterior. Por tabela, simulações de comunhão, por parte de pessoas adversárias da fé católica, visando, subtrair ou banalizar o valor do referido sacramento, são cada vez mais frequentes, o que, convenhamos, é inaceitável. Nisso consistiu o alerta do pároco acima citado, em dizer que, está disposto a ir às últimas consequências, se necessário for, para defender e resguardar o respeito e adoração ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.

“Não pensem que ser cristão é ser banana ou ser bobo. Não terei medo de enfrentar a quem quer que seja; seja lá quem for! Não tenho medo de morrer e se for para agir em legítima defesa, farei isso. Afinal, estou calçado na legislação civil e canônica. Se não reagirmos à altura, daqui a pouco até as Santas Missas serão impedidas de serem celebradas”, pontuou o religioso, visivelmente indignado. Padre Acácio foi aplaudido pelos presentes.

…………………………………………………………..

Comento, argumento. Só não invento!

Compartilhe a matéria e faça opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes