Blog Luis Machado

Prefeito de Santa Cruz do Capibaribe pagou com traição

Fábio Aragão, feio na fita

*Do Blog Pernambuco Urgente.

Traição, em política, não é crime. Mas é feio pra caramba. Candidato em circunstâncias complexas, Fábio Aragão, atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, contou com acolhimento, apoio e solidariedade do grupo do deputado federal Eduardo da Fonte, do PP. Este conhecido por sua competência política e respeito aos acordos e às regras do jogo. Apesar de tudo acordado estar sendo cumprido, o prefeito adotou uma prática condenável de tentar leiloar a prefeitura e seu inegável poder de apoio. Dudu, como Eduardo é mais conhecido, não topou. Não faz parte das suas praticas, onde impera a lisura e a lealdade. E lá se foi Fábio navegar em águas turvas, pregando na testa a marca da traição. Sinete de Judas, difícil de ser removido. As informações são do Blog Pernambuco Urgente, repercutidas no Jornal O Poder.

FÁBIO ARAGÃO, O JUDAS

O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Fábio Aragao, entra pro rol dos ingratos. Fábio nas eleições passadas, não tinha partido, força política e grupo. O deputado federal Eduardo da Fonte, o acolheu no partido, lhe deu legenda e garantiu a robustez que o atual prefeito precisava para as eleições. O que Fábio fez? Acabou de apunhalar Dudu pelas costas, trocando o deputado por Felipe Carreras, pagando com ingratidão, quem lhe colocou no colo.

REPERCUTE
O cenário político em Santa Cruz do Capibaribe vem sendo marcado por uma traição que reverbera entre seus habitantes. Fábio Aragão, atual prefeito, teve sua ascensão facilitada pelo deputado federal Eduardo da Fonte, que o acolheu em seu partido, concedeu-lhe legenda e fortaleceu seu grupo político nas eleições passadas.
No entanto, a gratidão parece ser uma virtude esquecida por Aragão. Ao trocar Eduardo da Fonte por Felipe Carreras, o prefeito não apenas rompeu laços políticos, mas também deixou evidente uma traição que ecoa na confiança depositada por aqueles que o apoiaram. O gesto de apunhalar pelas costas aquele que o impulsionou politicamente não passa despercebido.

SEM ÉTICA NEM LEALDADE
A política, muitas vezes, é um terreno fértil para acordos e alianças, mas a ética e a lealdade devem ser balizas inabaláveis. A atitude de Fábio Aragão coloca em xeque não apenas sua conduta como líder político, mas também questiona a integridade e a honestidade no ambiente público.
A mudança abrupta de alianças políticas pode ter consequências profundas para a estabilidade e confiança na gestão municipal. Os eleitores, que depositaram sua confiança em Fábio Aragão, podem se sentir traídos ao perceberem que a gratidão foi trocada por oportunismo político.

INTERESSES PESSOAIS
O episódio revela uma falta de comprometimento com os princípios que deveriam reger a política: transparência, responsabilidade e respeito aos eleitores. A troca de apoio político sem um motivo claro e transparente sugere que interesses pessoais podem estar sendo priorizados em detrimento do bem comum.
Além disso, a atitude de Fábio Aragão levanta questionamentos sobre a estabilidade política local. A confiança entre políticos e eleitores é um alicerce crucial para o funcionamento saudável de uma democracia, e traições como essa minam essa base.

30 MOEDAS
Em um momento em que a sociedade clama por lideranças sólidas e comprometidas, a atitude de Fábio Aragão parece distanciar-se desses ideais. A população de Santa Cruz do Capibaribe merece representantes que estejam verdadeiramente comprometidos com o bem-estar da comunidade, em vez de aqueles que trocam lealdade por conveniência política.

PERGUNTA INCÔMODA
Quem é o próximo que Fábio vai trair?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Olá